Organização lança cartilha sobre o diagnóstico de autismo

Estudo italiano acha novo gene ligado a casos raros de autismo
20 de January de 2023
Diferença entre o autismo e a apraxia de fala na infância
27 de January de 2023
Mostrar tudo

Organização lança cartilha sobre o diagnóstico de autismo

Desenvolvida pelo Instituto PENSI, por meio do Autismo e Realidade, a cartilha utiliza uma linguagem descomplicada para informar profissionais da saúde, pais e cuidadores sobre o diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista; o material é gratuito e está disponível para download

Por Ana Clara Godoi para observatorio3setor.org.br

O Autismo e Realidade, instituição que promove conhecimento sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), lançou a nova cartilha técnica “DSM-5 e o diagnóstico de TEA”, um material direcionado para profissionais da saúde, acadêmicos, pais e cuidadores. A cartilha é composta por cinco capítulos desenvolvidos pela neuropsicóloga e assessora científica do Instituto PENSI, Yasmine Martins.

O DSM-5 é a versão mais recente do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, um conjunto de critérios diagnósticos usado mundialmente para guiar o processo de investigação sobre transtornos psiquiátricos e do neurodesenvolvimento, como o autismo.

O DSM-5 nomeia os níveis de gravidade do autismo em três níveis. O Nível 1 é o autismo leve, em que as pessoas diagnosticadas apresentam dificuldade de interação e comunicação social, mas demonstram independência limitada para autocuidado, organização e planejamento. Já no Nível 2, autismo moderado, o indivíduo necessita de suporte considerável quanto aos déficits de comunicação, interação interpessoal e estereotipias. Por fim, no Nível 3, o indivíduo com autismo severo necessita de suporte nas tarefas da rotina diária, apresenta prejuízos graves na interação com o mundo e pode manifestar prejuízos intelectuais ou de linguagem.

Estima-se que há 2 milhões de pessoas com Transtorno do Espectro Autista no Brasil. Para Yasmine, o acesso à informação e políticas públicas relacionadas ao diagnóstico e intervenção de TEA ainda é precário. “O acesso à intervenção multidisciplinar ainda costuma ser demorado, o que não auxilia o desenvolvimento da criança e do adolescente, ou seja, a população necessita de mais vagas em ambulatórios especializados públicos e maior acesso ao atendimento pedagógico especializado nas escolas de educação infantil e fundamental”.

A neuropsicóloga ainda destaca que a linguagem descomplicada da cartilha facilita o entendimento universal dos leitores, contribuindo para que a mensagem seja entregue a mais setores da sociedade. “A linguagem acessível estimula a conclusão da leitura e a compreensão do conteúdo. O acesso à informação compreensível pode prevenir os interessados no tema de adquirirem informação equivocada e interpretarem erroneamente o que foi escrito. Além disso, eles ganham uma ferramenta adicional para auxiliar crianças, adolescentes e adultos autistas”.

O material gratuito está disponível para download no site. O conteúdo está alinhado ao ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) 3 da Agenda 2030 da ONU, meta universal que promove a saúde e o bem-estar da população.

O Autismo e Realidade passou a fazer parte da estrutura do Instituto PENSI (Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil) em 2015, quando foi incorporado à Fundação José Luiz Edygio Setúbal (FJLES). Em conjunto ao PENSI, a instituição realiza pesquisas científicas sobre o autismo e promove cursos para a capacitação de profissionais, cuidadores e familiares de pessoas diagnosticadas com TEA. A FJLES é uma organização da sociedade civil que atua em prol da saúde infantil e defesa dos direitos das crianças e adolescentes, com foco em três pilares: cobertura vacinal, segurança alimentar e saúde mental.

ONG Sorriso Novo
ONG Sorriso Novo
Olá! A ONG Sorriso Novo é uma organização sem fins lucrativos e nasceu do sonho de seus fundadores em difundir ações solidárias nas mais diversas áreas, tais como: saúde, artes em geral, infância e adolescência, esporte, congressos e palestras, educação de pessoas carentes, idosos, população de rua, comunidades carentes. Desde 2001 temos atuado no Complexo da Maré promovendo diversas contribuições às famílias da comunidade. Com pouco mais de 10 crianças deficientes apadrinhadas, atualmente buscamos firmar projetos e parcerias a fim de aumentar o nosso alcance e ser capaz de oferecer maior assistência a população carente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *