Pais adotivos rejeitam bebê com má-formação e mãe biológica decide ficar com sua filha

Austimo, autorregulação e stims
12 de July de 2017
Pai comove ao desabafar sobre o 1º dia de vida de seu filho deficiente
19 de July de 2017
Mostrar tudo

Pais adotivos rejeitam bebê com má-formação e mãe biológica decide ficar com sua filha

“Não posso imaginar minha vida sem ela”

pais adotivos

A norte-americana Christina Fischer, moradora da Flórida, decidiu dar sua filha para a adoção por não ter condições financeiras de sustentá-la.  Ela já é mãe de outra menina, mas como não tem ajuda do pai biológico, procurou uma agência de adoção.

Segundo informações do DailyMail, a adoção já estava encaminhada, mas quando a bebê nasceu, os pais adotivos mudaram de ideia e, literalmente, fugiram do hospital. O fato é que os exames pré-natais não detectaram nenhum tipo de má-formação.

“Saiu chorando do hospital e nunca soube nada sobre ela”, comentou Christina. “Então percebi que a bebê estava destinada a ser minha.”

Somente após o nascimento os médicos deram o diagnóstico. A pequena Abigail Lynn nasceu com uma doença genética rara, chamada síndrome de Treacher Collins. A condição afeta os ossos e os tecidos faciais, causando má-formação.

Contudo, a síndrome não impede que Abigail tenha uma vida normal. A menina terá acompanhamento médico e talvez precise de uma cirurgia reconstrutiva no futuro.

Christina iniciou uma campanha de financiamento coletivo no site GoFundMe para custear o tratamento da filha, que ela chama carinhosamente de “anjinho” e “princesa”. “Não posso imaginar minha vida sem ela”, afirmou.

Veja mais fotos desse anjinho:

Fotos: Oksana Peery
Matéria extraída do Razões para Acreditar
ONG Sorriso Novo
ONG Sorriso Novo
Olá! A ONG Sorriso Novo é uma organização sem fins lucrativos e nasceu do sonho de seus fundadores em difundir ações solidárias nas mais diversas áreas, tais como: saúde, artes em geral, infância e adolescência, esporte, congressos e palestras, educação de pessoas carentes, idosos, população de rua, comunidades carentes. Desde 2001 temos atuado no Complexo da Maré promovendo diversas contribuições às famílias da comunidade. Com pouco mais de 10 crianças deficientes apadrinhadas, atualmente buscamos firmar projetos e parcerias a fim de aumentar o nosso alcance e ser capaz de oferecer maior assistência a população carente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *